Categorias

Pesquisar na Loja

Qualidade de vida e doença coronária

PDFImpressãoEmail
Estuda-se o impacto da doença coronária na qualidade de vida, analisando-se o efeito dos estilos de vida a da promoção da saúde e de outras variáveis sociodemográficas e clínicas.
43.jpg43.jpg

Com envio CTT para 4,00 €
Preço base 12,50 €
Preço de venda com desconto
Preço Venda11,25 €
Desconto 1,25 €
Descrição

ISBN: 972-8485-50-6
Autor: Carlos Metelo André
Nº de Páginas: 156
Formato: 15 X 21 cm
Editora: Formasau
Ano de edição: 2005

Os Enfermeiros, em meu entender (e conforme afirmações públicas já por mim repetidas em múltiplas ocasiões), acabam por estar muito mais perto dos doentes, e muito mais tempo do que os próprios médicos. Estes, na sua vida hospitalar, têm a pesada responsabilidade do esta-belecimento do, ou dos, diagnósticos, e da definição da (ou das) terapêu-ticas – todavia, na grande maioria dos casos, são os enfermeiros(as), quem vai concretizar a terapêutica medicamentosa e acompanhar os doentes ao longo do dia e da noite, com os cuidados de enfermagem, injectáveis, acompanhamento a exames, vigilância cuidada, etc. e ainda, tantas vezes, nas longas horas de solidão, representam o ombro onde o doente «encosta a cabeça e chora»! E ainda são eles os \"explicadores\", atentos e não apressados, das recomendações que os médicos fazem, na hora da alta ou na consulta externa.
Infelizmente a classes dos enfermeiros é mais falada nos media pelas suas preocupações de carreira e salários, em reivindicações sindicais, sendo quase sempre esquecido o seu papel inestimável como o mais próximo prestador de cuidados.
Falo-vos hoje, neste prefácio duma obra que insisti – enquanto membro do júri – para que viesse a ser publicada, dum enfermeiro exemplar, que só \"conheci\" pela análise cuidada dos seus escritos, mas a quem logo, \"na hora da verdade\"e após a discussão pública da sua Dissertação de Mestrado, fiz os mais rasgados elogios públicos, e atribuí a mais alta classificação.
Carlos Metelo André, Enfermeiro do Hospital de Santarém, escolheu frequentar um curso de Sócio-Psicologia da Saúde (o que só por si já é revelador da sua personalidade e do seu pensamento) e depois escolheu para tema da sua Dissertação de Mestrado «O impacto da doença coronária na qualidade de vida da pessoa»!!
Tendo nós próprios, após décadas de terapêutica e de prevenção das doenças cardiovasculares, acabado por criar, com os meus seguidores, uma Fundação a que demos o meu nome, dedicada à promoção da saúde e melhor qualidade de vida, compreende-se bem a imediata aceitação ao pedido para tomar parte neste júri. Também não foi estranha a essa decisão o desfilar de agradecimentos intimistas, na sua introdução à Tese, começando obviamente pelo seu orientador Prof. Doutor Pedro Zany Caldeira, mas logo os estendeu, com evidente ternura, a todo o seu mundo de amigos e familiares, testemunhando qualidades depois confirmadas durante e após a prova.
Todo o livro (de leitura obrigatória para todos os que lidam com doentes, cardiovasculares ou outros) é modelar nos conceitos, na escolha das citações, nos métodos de estudo escolhidos e inquéritos feitos, na discussão dos resultados (sem esquecer o reconhecimento das óbvias limitações), e até na ante-visão das sugestões para o futuro, feitas ao terminar da obra.
Claro que poderíamos criticar o pouco tempo para um estudo longitudinal, a ambição excessiva de estudar 18 hipóteses com 35 doentes (menos hipóteses e mais doentes, para maior garantia dos resultados), mas ninguém poderia esperar de um trabalho de tese com tempo curricular limitado, feito por um profissional de saúde sem curso de me-dicina, os resultados espectaculares em termos de patologia, clínica e terapêutica que só a vida e o tempo lhe poderão mais tarde vir a pro-porcionar. Mas é toda a sua entrega ao doente, a compreensão da sua circunstância, a problemática sócio-psicológica debatida, e o testemunho de todo um saber de experiência feito, que encantam o leitor e não o deixam parar.
Gostaria de saber mais tarde em que é que a feitura e o recordar desta Tese lhe modificaram as opções, em que é que o treino adquirido alterou as suas atitudes, e em que é que o seu Mestrado influenciou o seu viver, consigo próprio e com os seus doentes e colegas.
«Sobreviver não basta, viver é que é preciso» – o Enfermeiro Carlos Metelo André não deixará de ensinar e publicar como, em quê, e quando conseguiu entender e influenciar a qualidade de vida dos seus futuros doentes, sob o impacto duma doença coronária, e onde passaram a entrar a prevenção secundária e terciária, e a reabilitação física e psicológica dos seus novos doentes: que objectivos alcançou junto deles, e/ou da sua equipa, em termos de melhoria psicossocial.
Os meus votos de mais vida e melhor qualidade de vida, para si Enfº Carlos Metelo André, e para todos os seus! Serão seguramente, – e por força de si próprio - extensíveis a todos os pacientes, coronários e não só, que por si venham a ser acompanhados e atendidos, ou pelos novos enfermeiros, de melhor formação, que estará de certo ajudando a criar!

PREFÁCIO: Prof. Fernando de Pádua

 

{mospagebreak}

Algumas das ideias associadas a Ciência e à forma como se faz Ciência certamente que incluirão palavras e/ou frases como: \"Difícil\", \"Aborrecida/Chata\", \"Não tem nada a ver com a realidade\", \"Faz-se, desfaz-se e refaz-se\", ou \"É uma tarefa solitária\".
Estou certo que a leitura deste livro, que nasce de um projecto de investigação inserido num curso de mestrado, poderá desmistificar algumas dessas ideias.
A forma solitária e individualizada como se pensa que o trabalho científico se desenvolve foi desmentido ao longo de todo o processo que desemboca neste livro, sem com isto se colocar em questão a sua autoria. O companheirismo, a amizade e a partilha que o Carlos deu e recebeu às/das suas colegas e amigas Anabela, Ilda e, obviamente, Clara estão patentes nesta viagem pelos domínios da Ciência. Viagem essa que espelha as inúmeras viagens factuais que ligaram as cidades de Santarém, Coimbra, Lisboa e até, numa ocasião, Porto, provando que há situações em que o caminho mais curto entre dois pontos não é uma recta (pelo menos financeiramente).
O fabrico do conhecimento verdadeiramente científico é uma tarefa com um grau de dificuldade elevado, mas, quando se alia o método cien-tífico ao desejo de melhor se compreender uma realidade com a qual se convive quotidianamente, até parece ser fácil, como o Carlos demonstra neste livro, que também espelha a sua actividade profissional como en-fermeiro e, diria mesmo mais, o seu profissionalismo.
A forma como o Carlos transpôs para a investigação aqui presente o seu afecto pelas pessoas que experienciam uma realidade dolorosa, em que a incerteza sobre o futuro está sempre presente, torna extremamente interessante a leitura deste livro, até porque são apontados factores que devem ser tomados em consideração se se quiser prestar melhores cuida-dos de saúde às pessoas com doença coronária.
Por fim, mas não por último, o fazer, desfazer e refazer constante e permanente é uma característica directamente associada à forma como se constrói o conhecimento científico. O Carlos fez esta investigação. Cabe a todos nós, investigadores nesta área, e ao Carlos em primeiro lugar, desfazer de forma criticamente construtiva esta investigação, para que o conhecimento se refaça, de forma diferente, quiçá mais apro-fundada, ou seguindo trilhos diferentes dos escolhidos para a realização desta investigação. O refazer será, neste caso, relativamente fácil, pois um ponto de partida de elevada qualidade, como o trabalho que aqui se relata, facilitará as múltiplas escolhas que estão associadas à realização de qualquer investigação científica.

 

PREFÁCIO: Prof. Doutor Pedro Zani Caldeira