RIE 24 AGOSTO 2018

 

DOWNLOAD INTEGRAL DA REVISTA

DOTAÇÃO SEGURA PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA
Safe Nurse Staffing: a systematic review of the literature
Dotación Segura para la práctica de Enfermería: una revisión sistemática de la literatura
Carla Amaral, Márcia Ferreira; Nuno Miguel Faria Araújo; Regina Silveira

VALIDAÇÃO TRANSCULTURAL DO MINI QUESTIONÁRIO DA QUALIDADE DE VIDA NA HIPERTENSÃO ARTERIAL (MINICHAL) 23 - VERSÃO PORTUGUESA
Transcultural validation of Mini Questionnaire of Quality of Life in Hypertension (MINICHAL) - portuguese version
Validación transculturale de Mini Cuestionario de Calidad de Vida en Hipertensión (MINICHAL) - versión portuguesa
Lara Daniela Matos Cunha; Paulo Alexandre Carvalho Ferreira

RESILIÊNCIA EM ADOLESCENTES COM DIABETES TIPO 1: UMA REVISÃO DA LITERATURA
Resilience in Adolescent with type 1 diabetes: a literature review
Resiliencia en adolescentes con diabetes tipo 1: una revisión de la literatura
M. Amaral Bastos; Beatriz Araújo

O PROCESSO FORMATIVO DA PESSOA COM TRANSPLANTE RENAL: O CUIDADO COM A ATIVIDADE SEXUAL
Patient education about sexual activity after kidney transplantation
El proceso formativo de la persona con transplante renal: el cuidado con la actividad sexual    
Pedro Ricardo Coelho Goncalves; Maria Isabel Domingues Fernandes; Luís Manuel de Jesus Loureiro

EDITORIAL

O DECLÍNIO FUNCIONAL DE PESSOAS IDOSAS EM CONTEXTO CLÍNICO AGUDO

As alterações e tendências demográficas atuais, criam um risco cada vez maior de declínio funcional de pessoas idosas, levando ao aumento de dependências, (re)hospitalização, maiores períodos de internamento, diminuição da qualidade de vida, e maior sobrecarga para os cuidadores (in)formais, e contribuindo para maiores índices de morbilidade e mortalidade neste grupo populacional.
Diversos fatores contribuem para este fenómeno nas fases agudas de internamento. O repouso prolongado no leito e falta de atividade, contribuem para o descondicionamento, reconhecendo-se que a hospitalização, mais do que a própria doença, pode ser a causa mais provável do declínio observado. Pode incluir também de fatores demográficos, do estado cognitivo, psicológico e funcional antes da hospitalização, de fatores sociais, de comorbilidades e a polimedicação, da (i)mobilidade, estado nutricional, défices sensoriais, síndromes geriátricos (Lafont et al., 2011).  
Para muitos idosos, o ambiente hospitalar nem sempre é terapêutico e embora exista uma filosofia reabilitativa global de cuidados de enfermagem, em que os enfermeiros ajudam os doentes a envolver-se e a participar ativamente nos diversos autocuidados, também sabemos que, muitas vezes, os enfermeiros substituem os doentes em vez de os ajudar na concretização de determinadas atividades (Boltz et al., 2011). As próprias atitudes e representações dos enfermeiros em relação à pessoa idosa hospitalizada, podem por vezes tornar-se numa barreira à promoção da mobilidade, contribuindo também para o declínio funcional, com todas as repercussões que lhe estão associadas, e refletindo-se na qualidade dos cuidados prestados (Cruz, Tosoli, & Parreira, 2015). De facto, as representações sociais, relacionadas com os idosos e com as suas capacidades, conduzem muitas vezes a atitudes discriminatórias que estão muitas vezes associadas a ideias pré concebidas, e contribuir para a falta de confiança no sucesso das suas intervenções terapêuticas.
Este fenómeno enquadra-se nas prioridades atuais de saúde, envolve diversas dimensões, e apesar de alguns estudos realizados, é um objeto de estudo premente, que urge clarificar, de forma a desenvolver as melhores estratégias no controlo de fatores de risco individual, psicossocial e relacionados com contextos agudos de doença, e promover uma visão mais positiva e correta da pessoa idosa.
Arménio Cruz