New item
DAE
dgert
ordem
Investigação em
Enfermagem nº 6
Agosto 2002

EDITORIAL

A afirmação da enfermagem terá forçosamente de passar pela demonstração e justificação da sua utilidade social e humana, da projecção e influência que pode ter na promoção da qualidade de vida  e manutenção do bem-estar dos cidadãos. Essa afirmação passará de certo pela aplicação directa dos cuidados no dia a dia, mas também, pela realização de estudos sobre problemas de interesse para a comunidade em geral. Por isso, a RIE continua a apostar na divulgação de estudos científicos realizados no âmbito da enfermagem, de modo a estimular os respectivos enfermeiros a apostarem cada vez mais neste processo como motor dinâmico e fundamentado das suas práticas e dos seus efeitos na saúde dos indivíduos.
Este número inclui seis artigos, dos quais alguns são sobre o estudo de problemas específicos da população e outros abordam aspectos concepcionais e metodológicos.
O primeiro artigo, apresenta-nos os resultados dum estudo exploratório sobre as representações dos enfermeiros dos conceitos do corpo, saúde e doença. Neste estudo apresentado no IV Congresso Português de Sociologia, as autoras utilizam a técnica da associação livre de palavras, com análise textual e análise factorial de correspondências.
Um problema bastante actual, e que infelizmente em Portugal continua a verificar-se com uma frequência lamentável, é a situação das mães adolescentes. O comportamento da mãe adolescente face ao aleitamento materno numa amostra de Trás-os-Montes e Alto Douro foi o principal objectivo dum estudo descritivo de características quantitativas realizado no âmbito do Mestrado de Ciências de Enfermagem.
A doença crónica, a adaptação do indivíduo a essa situação e os contributos da enfermagem é analisado no estudo “Adaptação do insuficiente renal crónico à hemodiálise. Contributos do enfermeiro”. Este artigo é a síntese de uma tese, também desenvolvida no âmbito do Mestrado das Ciências de Enfermagem, onde é utilizada uma abordagem quantitativa e qualitativa, designada por triangulação, onde o papel do enfermeiro parece ser preponderante na adaptação do indivíduo ao tratamento realizado.
Os resultados e efeitos de determinadas terapias complementares e alternativas na saúde dos indivíduos são muitas vezes questionados. A sua utilização por parte dos enfermeiros na prática quotidiana pode ser uma opção positiva, mas que carece ainda de alguma fundamentação rigorosa. “Os efeitos fisiológicos do relaxamento nos doentes hipertensos” é um estudo que pretende conhecer melhor um dos métodos alternativos e a sua acção num dos principais e actuais problemas de saúde pública, a hipertensão. Este estudo quantitativo de pesquisa-acção, apresenta características quasi-experimentais de observação directa e sistemática de parâmetros fisiológicos, numa amostra de doentes hipertensos que frequentam a consulta de enfermagem de hipertensão dum centro hospitalar da região centro.
No âmbito duma dissertação de Mestrado em Educação, na área de especialização em Organizações Educativas e Administração Educacional, foi desenvolvido o estudo “Ensaio preliminar para a construção de um modelo teórico de análise da formação em contexto de trabalho hospitalar”. A autora tenta identificar modelos de análise do hospital enquanto organização e, a partir destes, compreender como é que a formação neste contexto de trabalho é interpretada pelos enfermeiros.
Por último, contamos com um artigo que aborda questões metodológicas: “A investigação histórico-educativa”. Esta metodologia enquadrada na investigação qualitativa é analisada pela autora. São comparadas duas escolas de pensamento, a filosofia subjacente à corrente positivista lógica e a filosofia subjacente à corrente naturalista.
Neste número da RIE, queremos realçar o facto de todos os artigos publicados incluírem em língua inglesa, o título, as palavras-chave e o resumo. Este facto vai continuar a verificar-se nas próximos números, pois fará parte das novas normas de publicação, e será decerto um passo importante para que os estudos de investigação no âmbito da enfermagem desenvolvidos em Portugal comecem também a ser conhecidos pela comunidade científica internacional.
Para terminar, não podemos deixar de nos congratular com o número de candidaturas à Bolsa de Investigação em Enfermagem Sinais Vitais e ao número de trabalhos financiados por essa bolsa. Esta iniciativa, e outras do mesmo género que esperamos que se venham a realizar, será decerto um contributo importante para a Investigação em Enfermagem e para a melhoria dos cuidados de saúde, concretamente, dos cuidados de enfermagem.

 

Arménio Guardado da Cruz