New item
DAE
dgert
ordem
Investigação em
Enfermagem nº 9

Fevereiro de 2004

EDITORIAL

Mais um número editado da RIE é para nós uma alegria. Esperamos que de alguma forma o seja também para os colegas, nossos leitores habituais.
Uma alegria e uma vitória, pois significa, que se reuniram as vontades e as condições financeiras para a sua concretização.
Neste número nove, publicamos um conjunto de resumos de investigações de enfermeiros portugueses de todo o pais. Aliás, no seguimento do que vem acontecendo desde o primeiro número. Estávamos então em Fevereiro de 2000. Entramos assim,  no quinto ano de edição, com uma saída regular, duas vezes por ano, em Fevereiro e em Agosto.
Nos oito números anteriores, publicámos quarenta e nove artigos, sendo quarenta e quatro sínteses de investigação e cinco artigos de metodologia, num total de quinhentas e quarenta e duas páginas, numa média de sessenta e sete virgula sete páginas por número.
Nesses oito número contamos com a colaboração de sessenta e nove autores, dezanove do género masculino e cinquenta do feminino, sendo que sessenta e sete eram enfermeiros e dois de outras áreas da saúde.
Dos sessenta e sete enfermeiros, trinta e nove eram do ensino e vinte e oito da prestação directa de cuidados. Dos quarenta e nove artigos, trinta e seis são de um só autor e treze de mais que um, com um máximo de quatro e uma moda de dois.
A proveniência dos quarenta e nove artigos espalha-se de Trás-os- Montes ao Algarve, e ainda da Universidade de Campinas no Brasil, da Universidade de Antioquia na Colómbia e do Canadá.
O idioma de publicação é o português, sendo que foi publicado um artigo em castelhano.
Desde a edição do número 6, de forma sistemática os artigos incluem o Título, Resumo e Palavras Chave em língua inglesa.
Dos quarenta e nove artigos publicados, vinte tem origem em investigações no âmbito de programas de mestrado, três na Unidade de Investigação e Desenvolvimento das Escolas Superiores de Enfermagem Públicas de Lisboa, um resultou de um trabalho subsidiado pela Comissão de Fomento da Investigação em Cuidados de Saúde do Ministério da Saúde.
Numa abordagem das temáticas, os quarenta e nove artigos, abordam assuntos relacionados genericamente com os cuidados (30), relacionados com as condições dos profissionais (5), com o ensino da enfermagem (6), e com a opinião de doentes e de familiares (3 artigos). De notar a ausência de trabalhos na área da gestão/administração.
Desde o primeiro número a RIE apresenta-se sobriamente, editada a preto, com capa a uma cor, e com todos os números editados em papel reciclado.
Como desafios à direcção da RIE coloca-se antes de mais garantir a continuidade do projecto. Desafio que passa também, pela criação de um banco de artigos, que permitam uma revisão cuidada por um corpo de especialistas; a indexação a base de dados internacionais; a publicação on-line do texto integral. Vamo-nos empenhar para o concretizar, esperamos assim poder responder melhor aos desejos e necessidades dos enfermeiros nossos leitores.

Paulo Queirós